Publicado por: miwi | dezembro 7, 2008

TDC2008 [Florianópolis]: Eu fui!, parte 2

Continuando meus relatos sobre o TDC que ocorreu no sábado retrasado (com algum atraso, é verdade… mas eu tenho de admitir que devo ter feito umas 4 provas na última semana…), vamos dar uma olhada nas outras duas paletras que eu vi:

Palestra 5 – Java na ponta dos dedos: A caneta que roda Java

Palestrante: Dr. Spock [ blog ]

Sinceramente, uma das palestras que me fez babar no evento. Se você não souber o que me dar de natal e for podre de rico, eu aceito isso como presente:

Sério. Trata-se de uma pequena caneta que possui uma máquina virtual Java (e que por isso foi destaque no último JavaOne) e que, portanto, pode receber pequenos programas escritos em Java Me utilizando a API fornecida pelos desenvolvedores. É uma caneta esferográfica com um pequeno sensor de infravermelho na ponta e um gravador.

Funciona assim: ela vem junto com um caderno que a caneta reconhece, e cada ponto do caderno é diferente, assim, quando o infravermelho passa pelas páginas, a caneta sabe em que página está, e em que parte da página ela se encontra.

Desta maneira, você pode começar uma gravação e ir escrevendo no seu caderno. A caneta grava e associa com o que você está escrevendo e mais tarde, ao “clicar” com a caneta sobre partes das suas anotações, você pode ouvir o que estava sendo dito quando você escreveu aquilo. E isso é apenas a função com a qual ela vem – lembre-se que ela possui uma máquina virtual Java, o que permita que você escreva seus próprios programas para ela.

Dois programas “demo” inclusos são o “teclado virtual”: de acordo com as instruções da caneta, você desenha um teclado no caderno e, ao passar com a caneta sobre ele, a caneta emite um som, como se você estivesse tocando um teclado. O outro demo é um pequeno tradutor: você escreve a palavra em inglês e pede para que ela seja traduzida e a caneta “fala” a tradução.

Virou um sonho de consumo, mas infelizmente ela custa 150~200 dólares, e isso nos EUA…

Paletra 6: O mundo Java ME

Palestrante: Bruno Ghisi / GUJava [ blog ]

Essa é uma palestra que eu queria ver, especialmente por me sentir mais “em casa”, já que o Bruno também estuda na UFSC. 🙂 Eu já o “conhecia” de tê-lo visto escrever artigos para a Mundo Java junto com o Lucas Torri. Confesso que senti uma certa “invejinha” dos dois, já que eles sabem muito mais de Java e já fizeram coisas relevantes para a comunidade, mas tudo bem, é uma invejinha saudável 😉 Mas estou divagando…

O foco da palestra do Bruno não foi apenas falar sobre Java Me, mas sim contrapor uma afirmativa feita há algum tempo, de que o Java Me estaria fadado a desaparecer porque, com o avanço dos celulares, eles estariam passando a rodar Java Se ao invés de Java Me.

Não apenas o número de celulares mais simples que rodam Java Me é absurdamente maior do que o número de celulares smartphones – algo como mais de 2 bilhões de celulares pelo mundo, mas não são apenas os celulares que utilizam Java Me.

Da mesma maneira que os celulares estão evoluindo, outros dispositivos também estão, e aparelhos que outrora só rodavam programas em Assembly ou, no máximo, em C, agora começam a utilizar máquinas virtuais Java.

Ou seja, Java Me não está desaparecendo. Muito pelo contrário: agora ela se encontra no topo, já que nunca se usou tanto Java Me como agora.

Um exemplo óbvio é a caneta logo ali em cima, da outra palestra, que roda Java Me.

Moral da história: sim, ainda vale à pena aprender e desenvolver para Java Me. Diga-se de passagem, vale muito à pena!

Ué, e não eram 8 palestras, Cindy?

Eram, mas eu acabei de chegar de viagem e estou cansada. Ou seja, daqui a alguns dias eu coloco um resuminho sobre as outras duas palestras.

Para quem quiser, já disponibilizaram no site do evento os downloads das apresentações (em pdf/pps).

Anúncios

Responses

  1. Eu quero essa caneta também!!!

    Quando eu fiz um curso de Java Me, mês passado, as palavras do professor foram meio dizendo que estava no topo, meio dizendo que estava acabando.
    Nos exemplos que encontrei pelo caminho tinha coisas péssimas e coisas maravilhosas feitas com o Java Me, espero que meu ânimo paa aprender tudo isso volte logo, porque não quero ficar de fora desse mundo.

    E jura que o nome do cara era Dr, Spock? o_O

  2. Parabéns! Você foi a milésima pessoa a comentar neste blog!

    * clap * clap * clap *

    Aqui está o seu certificado, muito obrigada pela sua participação… se dirija às nossas atendentes para receber o seu prêmio… uma xícara de chocolate quente imaginário! =D

    =*

  3. mas, mas….
    foi sem querer, eu juro…

  4. isso é o que todos dizem!

  5. Olá Cindy,
    Perambulando pela rede acabei chegando ao seu blog! Vi que gostou do TDC em Floripa … também adorei ter participado. Notei que é tão entusiasta das novas tecnologias quanto eu …
    Parabéns pelo seu blog … gostei muito de vários posts … vc escreve como se estivesse conversando com a gente ou simplesmente pensando … show de bola!
    []'s
    Spock

    Build network make open source software
    http://blog.spock.com.br/


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: